Você sabe o que é PODCASTING?

Hey, você! Sim, você mesmo! Já ouviu algum podcast? Não? Mas pelo menos tem ideia do que se trata, não é? Também não? Então vamos deixar de preguiça e entender melhor o que é esta nova maravilha midiática.

Podcasting é uma recente forma de publicação e distribuição de produtos midiáticos pela internet, que podem ser áudios, vídeos, textos, fotos etc. Diferente do Broadcasting (a radiodifusão – onde um programa é transmitido de uma única fonte para muitos ouvintes/expectadores em massa) o Podcasting é um sistema bem mais personalizável.

Você pode assinar gratuitamente o feed de algum site ou blog que mais goste e, daí então, receber todas as novidades deste site diretamente no seu celular, MP3 playertablet ou computador, automaticamente, sem você…

Leia artigo completo…

As Solidões de Oswaldo Montenegro

Oswaldo Montenegro é, acima de tudo, um poeta. Seus versos são poéticas, suas melodias são poéticas e suas apresentações musicais idem. Sendo assim, ao se aventurar pelo cinema, o resultado não poderia ser diferente: seus filmes são magistralmente poéticos.

Em seu primeiro longa, Léo e Bia (Brasil, 2010), Montenegro usou da linguagem teatral para narrar uma história de amizade, afeto, comunhão e fidelidade (com forte cunho político, é verdade). Agora, três anos depois, ao lançar sua segunda aventura cinematográfica, o diretor nos apresenta o lado contrário daquele primeiro cenário: a solidão.

Leia artigo completo…

Somos Tão Jovens – A Mitografia de Renato Russo

É preciso entender que Somos Tão Jovens (Brasil, 2013) não é um filme biográfico, mas mitográfico. O roteiro de Marcos Bernstein não trata Renato Russo como pessoa, mas como ídolo, como mito. Está ali o cantor-herói, erudito e tão imerso em suas próprias composições. Estão ali também todas as lendárias histórias do rock brasiliense, os personagens marcantes e as famosas canções. Enfim, o filme do diretor Antônio Carlos Fontoura não trás nenhuma novidade e é tão leve quantos seus longas anteriores.

A história inicia-se com uma rápida passagem pela epifisiólise de Renato Russo, a doença que, aos 15 anos de idade, o deixou acamado por seis meses e outros doze com dificuldades para andar. E daí conta toda a trajetória do jovem, sua paixão por música, sua conversão ao punk, as influências, os amigos, a formação do Aborto Elétrico, até chegar à famosa Legião Urbana.

Mesmo que o roteiro seja morno, o filme é cheio de pontos fortes e tem muito…

Leia artigo completo…

Gangnam Style, Latino e a Educação Brasileira

O mais novo hit da música mundial veio lá do outro lado do mundo, com língua quase impossível de se pronunciar e entender e é cantado por um rapper gordinho em um clipe aparentemente sem noção. Em contrapartida, aqui no Brasil, esta mesma canção foi copiada e deturpada pelo cantor pop/funkeiro Latino.

Na canção original, chamada Gangnam Style (estilo Gangnam), cantada pelo rapper Psy, busca-se “uma mulher elegante que saiba apreciar um convite para um café”, “uma mulher que é sexy, mesmo sem se mostrar muito” e que se interesse por “um cara que tem mais idéias do que músculos”.

A versão “latina”, porém, segue por outro viés. Aproveitando apenas do ritmo, o cantor brasileiro transformou Gangnam Styleem Despedida de Solteiro. E os versos – com o perdão da palavra – na mais pura putaria. Deixa-se de lado a mulher ideal para …

Leia artigo completo…

Zé Batalha e a Bienal do Livro

Entre os dias 9 e 19 deste mês ocorreu a 22ª Bienal do Livro de São Paulo. E lá fui eu, no último dia, marcar minha presença na feira, mesmo que apenas a passeio – a experiência adquirida em 2010 já me dizia que eu não compraria nenhum livro, afinal os preços são salgados, mesmo nas promoções de encerramento. No entanto, após horas caminhando em círculos pelo labirinto de estandes, acabei adentrando um cantinho escuro do pavilhão e, escondido lá no fundo, no último corredor, descobri algo que não esperava: o selo Vermelho Marinho, da editora Usina das Letras, e fiquei maravilhado.

Para quem não conhece (como eu não conhecia), este selo é dedicado à literatura brasileira popular contemporânea e vem lançando vários novos escritores – autores de fantasia, terror e ficção científica – tudo com a cara do Brasil. E para minha surpresa, além dos livros, ali também…

Leia artigo completo…

O Orc Agora faz parte do Telha

Depois de seis participações no Telhacast, no decorrer de todo este ano, fui convidado por Thiago Miro a ser integrante fixo de sua equipe de podcasters, completando o grupo de dez membros. Agora, caros leitores do Covil, todos poderão me ouvir com mais freqüência no Telha, incluindo o programa desta semana sobre“Filmes Amaldiçoados”.

Não deixem e ouvir os antigos também: a série especial sobreTolkien e o cast sobre Drácula.

Boa diversão a todos!

A Geração Coca-cola Morreu

“Geração Coca-cola” deveria ser proibida e jamais tocada novamente por qualquer banda! Uma das mais desafiadoras canções de Renato Russo marcou uma geração, mas perdeu seu contexto, ficou desatualizada, deixou de fazer sentido. Ouvi-la e cantá-la hoje em dia é pura hipocrisia!

Composta por volta de 1978-9, “Geração Coca-cola” é destinada há um público em específico: jovens que nasceram na ditadura militar, viram a repressão, sentiram a estagnação e lutaram – em segredo ou não – para pôr fim ao governo tirânico dos generais. Era uma época completamente diferente da atual. O restante do mundo se dividia em dois, em uma guerra não declarada, às portas de uma possível aniquilação da vida sob o inverno nuclear. As pessoas tinham motivos para lutar e transgredir. Havia um “inimigo” em comum a ser combatido, a rebeldia adolescente não era sem causa e o povo não apenas clamava por mudanças… eles agiam!

“Quando nascemos fomos programados a receber o que vocês…

Leia a análise completa…

Mais uma vez no Telhacast!

Mais uma vez fui convidado a participar do Telhacast. Da primeira vez, fizemos uma série de 5 episódio sobre a vida e obra de J. R. R. Tolkien. Desta vez fizemos um especial sobre o atemporal Drácula, de Bram Stoker. Abordamos o livro, seus contextos e suas diversas adaptações para o cinema, além de um apanhado histórico sobre vampiros.

Para ouvir, basta visitar a página do Telhacast clicando aqui.

.
.

Ver, Ouvir e Sentir Raul Seixas

Cerca de 15 minutos antes da sessão e a sala começa a se encher. É um documentário, gênero pouco quisto pelo expectador brasileiro, e o filme já está em cartaz há uma semana; mesmo assim o público é grande e as fileiras ficam quase todas lotadas. “Por isso que eu gosto de maconha: um tapinha e a gente relaxa por umas três horas”, comenta alguém na fila de trás. “É sério, tem uma ladeira lá onde o carro sobe sozinho. Só soltar o freio de mão e ele vai subindo”, retruca um outro, referindo-se à cidade de São Tomé das Letras. São jovens e senhores, mas também crianças, muito provavelmente levadas pelos pais, burlando a classificação de 14 anos, para que assim conheçam o grande ídolo de suas juventudes.

Dá-se início à sessão e então são mais de duas horas de silêncio entre a plateia, entrecortado apenas pelos risos diante de depoimentos amalucados de…

Leia opinião completa…

Escritos dos Ancestrais – Campos de Odelberon

E se todos os deuses de todos os povos realmente tivessem existido num passado remoto do mundo? Não apenas deuses, mas todos os seres fantásticos dos folclores das mais diversas culturas… E se fossem reais? É partindo dessa premissa que o escritor português Rodrigo McSilva desenvolveu o livro Escritos dos Ancestrais, o primeiro volume da saga Campos de Odelberon. Baseando-se nas mitologias grega, nórdica, celta e indo-europeia, o autor montou um compêndio de personagens e histórias que se desenrolam num mundo em comum, onde Zeus e Odin, entre outros, dividem um mesmo continente do mundo fantástico chamado Odelberon.

No princípio dos tempos, humanos, animais, deuses e seres mágicos habitavam juntos a Terra. Mas com o assassinato…

Leia mais…

Espártaco – Igualdade e Liberdade

Espártaco era um escravo, filho de um escravo que era filho de outro escravo. Nascera na servidão e esta situação era a única vida que conhecia. Porém havia nele algo de diferente, tanto daqueles que o antecederam quanto daqueles que o rodeavam. Havia uma paixão em seus olhos, um fervor fraternal que o fez ser chamado de “Pai” tanto pelos mais novos quanto pelos mais velhos. Espártaco nascera escravo… mas era um líder!

Escrito por Howard Fast em 1951, o livro é baseado na história real do personagem título, que viveu por volta dos anos 120 a.C. a 70 a.C., no Império Romano. Maltratado pelo chicote de seus donos, cansado pelo trabalho ininterrupto, devastado pelo descaso e pela escravidão… assim era Espártaco, o escravo que passou a gladiador…

Leia mais…

O Espião que Saiu do Frio

John Le Carrè é o maior autor de espionagem da Guerra Fria. Foi agente da inteligência britânica e viu de perto toda a realidade do mundo dos agentes secretos, experiência tal que aproveitou em sua Obra (e ainda aproveita).

Com personagens profundos e complexos, contrário ao glamourdas histórias de James Bond, em O Espião que Saiu do Frio, Le Carrè faz uma síntese…

Continue lendo…

O Dia do Chacal

Tendo como pano de fundo uma situação real da História recente da Europa, O Dia do Chacal é mais que um simples thriller: é a síntese de toda a situação francesa no período pós-guerra das décadas de 1950-60, transformada numa caçada dupla, maravilhosamente narrada por Frederick Forsyth.

De um lado, um assassino profissional com táticas impecáveis, contratado pelos opositores para matar o presidente Charles de Gaulle. Do outro…

Continue lendo…

 

.

MAIS ARTIGOS

.

O COVIL DO ORC É EXPRESSAMENTE CONTRA A PIRATARIA. O DIREITO AUTORAL É, ACIMA DE QUALQUER LEI, UMA QUESTÃO DE CARATER. SE EXISTIR ALGUM CONTO QUE NÃO DEVERIA ESTAR AQUI PUBLICADO, POR FAVOR ENTRE EM CONTATO COM O ORC E SOLICITE SUA REMOÇÃO.

Anúncios